Receba as novidades exclusivas de nossa rede :)

Cadastre-se

A felicidade ou infelicidade dependem das nossas escolhas

A felicidade ou infelicidade dependem das nossas escolhas

Fomos criados por Deus, à sua imagem e semelhança, para sermos felizes. Infelizmente o próprio Ser Humano afastando-se do Senhor através do pecado (embora o Senhor nunca tenha se afastado de nós), conheceu o caminho da infelicidade, da dor e da morte.

E em que consiste a felicidade que tanto buscamos? Algumas pistas para encontra-la e vivenciá-la, encontram-se no Salmo 1,1-3: Feliz o homem que não procede conforme o conselho dos ímpios, não trilha o caminho dos pecadores, nem se assenta entre os escarnecedores. Feliz aquele que se compraz no serviço do Senhor e medita sua lei dia e noite. Ele é como a árvore plantada na margem das águas correntes: dá fruto na época própria, sua folhagem não murchará jamais. Tudo o que empreende, prospera.

  1. Não proceder como os ímpios. Quem são os ímpios? Pessoas incrédulas que não respeitam e zombam das coisas sagradas. Proceder como os ímpios nos leva ao caminho da infelicidade.
  2. Não trilhar o caminho dos pecadores. O que isto significa? Caminhar de acordo com os preceitos e mandamentos do Senhor. Esforçar-se para não pecar; e se pecarmos, arrependermo-nos e procurarmos o Sacramento da Reconciliação com Deus e com os irmãos.
  3. Servir ao Senhor de todo coração, enaltecendo a nossa , nossa Esperança e o nosso Amor, como presentes inigualáveis de Deus, a fim de podermos nos doar aos pobres e necessitados.
  4. Meditar a lei do Senhor. Significa orar com a Palavra de Deus, que nos orienta e nos mostra o caminho que devemos seguir, na certeza de encontrarmos a felicidade.

E aqui temos, de forma alegórica, o que é o SER HUMANO FELIZ: “Ele é como a árvore plantada na margem das águas correntes: dá fruto na época própria, sua folhagem não murchará jamais. Tudo o que empreende, prospera.

Paz e Luz

Por Antonio Luiz Macêdo

Mais artigos do autor:

Catequese Católica (busque em Colunistas)

Minhas Reflexões (início da página)

 

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *