Receba as novidades exclusivas de nossa rede :)

Cadastre-se

Meu jeito de ser católico

img

A fé é como uma câmera que descortina e grava milhares de cenas. A depender do enfoque, quem a maneja acabará vendo apenas uma pequena parte do que poderia ver, porque fechou a objetiva num ângulo e não aceitou abri-lo. Uma coisa é, pois, a fé; outra é o enfoque dessa fé. É o que vemos e ouvimos todos os dias nos púlpitos, nos altares, no rádio e na televisão: pregadores mostrando seu ângulo e seu enfoque.

Há muitas maneiras de crer e maneiras diversas de expressar a mesma fé. Não se pode exigir que todos dancem, cantem, falem e orem do mesmo jeito. Mas há temas e atitudes que todos precisam assumir se desejam ser cristãos católicos. O autor aborda algumas dessas atitudes, aponta acertos e erros, o que tem ajudado e o que tem prejudicado o caminhar dos cristãos, sobretudo nos dias de hoje. E levanta diversas questões: Meu jeito de ser católico é certo? Não há o que corrigir? Não será o jeito do outro melhor do que o meu? Aceito ser melhor aprendiz para ser melhor discípulo e melhor missionário? “Minha comunidade” ou “meu movimento” já me deu tudo o que eu preciso para me proclamar um bom católico? Que livros tenho lido? Que canções e livros há na minha estante? Só os do meu grupo e os da nossa editora? Padre Zezinho vai fundo nas interrogações e instiga o leitor a concordar, discordar e aprofundar, mas não deixar de se perguntar sobre o o jeito da Igreja e o seu jeito de ser católico.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *