Receba as novidades exclusivas de nossa rede :)

Cadastre-se

NATAL: Do Bom Velhinho ao Menino de Belém

Por Fagner José Wilman – Coordenador do CPP da Paróquia São Donato, Içara

Sempre nessa época precisamos fazer uma opção: viver a histeria do comércio, ávido em vender e lucrar, ou mergulhar na contemplação do mistério do nascimento de Jesus. Viver às voltas, em função do natal comercial, na escolha de presentes, ou nos prepararmos espiritualmente, arrumando a casa do coração para a chegada do Senhor.

Na verdade, é muito mais atraente esperar o “bom velhinho” com seu saco cheio de presentes, do que esperar o Menino pobre de Belém. Concorda? Entretanto, tenhamos cuidado. O bom velhinho, não por ele mesmo, mas pela forma como é usado pelo comércio, tem roubado o lugar do verdadeiro dono da festa. É só observar e você verá como se multiplicam os tronos e trenós e se esquecem cada vez mais os presépios e manjedouras.

Certamente, São Nicolau, com seu belo gesto de distribuir presentes às crianças pobres, não ficaria contente de ver a conotação materialista dada ao seu belo gesto. A cultura consumista transformou o gesto de caridade em seu programa de vendas mais lucrativo. O papai Noel que conhecemos tem muito pouco de São Nicolau.

Apesar da cultura em que estamos inseridos, precisamos dar primazia Àquele que é o verdadeiro sentido do Natal. O Natal é a chegada do Menino Jesus! É a manifestação mais sublime de que Deus não está longe, de que não nos abandonou… O bom velhinho nos alegra, nos traz até coisas boas do ponto de vista cristão, mas ele não é o centro. Faz parte da festa, nos estimula à caridade, mas é parte, não é essencial. Veja:

O bom velhinho é bonzinho. O Menino de Belém é a mais pura manifestação de amor.
O bom velhinho nos dá coisas. O Menino de Belém se oferece, a si mesmo, para nós.
O bom velhinho vem para poucos. O Menino de Belém veio para todos, sem distinções.
O bom velhinho nos oferece dons, presentes. O Menino de Belém nos oferece o maior dom: a salvação.
O bom velhinho invade nossa casa, entra pela chaminé. Jesus vem com Maria e José, que batem a nossa porta e pedem nosso abrigo.
O bom velhinho prefere lugares ricos e luxuosos. O Menino de Belém continua sendo encontrado nos lugares mais pobres da terra.
O bom velhinho nos dá algo. O Menino de Belém, ao contrário, nos inquieta a dar-lhe algo que supere sua pobreza.
O bom velhinho vem do céu e tem poderes especiais. O Menino de Belém nasce na terra, migrante, sujeito aos desmandos do imperador.
O bom velhinho tem ares de divino. O Menino de Belém é humano, na sua mais terna expressão: uma criança.
O bom velhinho tem o trono e as pompas da realeza. O Menino de Belém não tem nem onde morar; dorme envolto em faixas numa manjedoura.
O bom velhinho é cercado de duendes, renas encantadas e seres míticos. O Menino de Belém tem a companhia de Maria e José, de pastores e sábios, acompanhados pelo canto festivo dos anjos.

São só uns comparativos. Que São Nicolau não me leve a mal. Não me refiro a ele, mas ao papai Noel criado pelo comércio. É importante lembrar que o Natal não pode ficar reduzido a receber e ofertar presentes. Quem não gosta de receber presentes? No presente há um gesto de carinho, de amor. Mas tenhamos cuidado. Os presentes do bom velhinho podem nos entorpecer, enganar. Já o Menino de Belém, ao contrário, nos dá liberdade, vida plena, paz e felicidade. Passemos do bom velhinho ao Menino de Belém. O que Ele tem a nos oferecer é infinitamente melhor.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *