Há 75 milhões de anos um soberano galáctico chamado Xenu confinou na Terra os “thétanos”, malvados espíritos que até nossos dias infectam as psiques dos homens, causando males que só podem ser curados com muito dinheiro e sessões de “clarificação”. Isto, que poderia parecer um conto de ficção científica, não é outra coisa que o postulados da Igreja da Cienciologia, uma seita que por meio de ameaças e extorsões, construiu um império econômico conquistando astros de Hollywood, empresários e políticos de todo o mundo.

Tom Cruise, Dustin Hoffman, Nicole Kidman, Oliver Stone, Constantin Costa Gravas, Larry King, Mario Puzo, Aaron Spelling. Gore Vidal…todos compartilham fama e fortuna, mas além disso um lugar na Igreja da Cienciologia.

A notícia

Os seguidores da seita voltaram a ser há um tempo atrás ao lançar protestos frente a negativa do governo alemão de permitir que seus membros participem de cargos públicos dentro do poder Executivo ou em partidos políticos.

Uma resolução impulsionada pelo presidente do Comitê de Relações Internacionais da Baixa Câmara, Bem Gilman, e o senador Mike Enzi, quer obrigar o governo do chanceler Gerhard Schroeder a ceder em sua postura, solicitando a intervenção do próprio Bill Clinton.

A notícia, que agitou -sem alterar- o cenário da política internacional, voltou a por em julgamento as atividades do grupo que sofreu anteriores percalços na Espanha e França, onde atravessou vários julgamentos acusado de ser uma seita cujo verdadeiro objetivo é o de ganhar dinheiro, mediante a captação de adeptos entre pessoas com doenças ou problemas de trabalho ou psicológicos.

As origens

Segundo uma reportagem da La Vanguardia de Barcelona, a “doutrina” da seita surgiu na imaginação de seu fundador, Ron Laffayette Hubbard, um escritor de ficção científica que nasceu em Nebraska em 1911. Com o fim de captar adeptos, Hubbard misturou a fantasia de seus livros com a realidade.

Cura Custosa

Em sua obra mais conhecida “Dianética: A ciência moderna da saúde mental”, Hubbard diz que “não podemos libertar nossa psicose se enfrentamos aos incidentes traumáticos ou enagramas que bloqueiam nossa mente”. Segundo o fundador, libertar-se disso é muito fácil, mas muito custoso já que implica uma “audição” com a ajuda de um “audímetro” de até cinco mil dólares. Entretanto o curso completo que conclui o “caminho de purificação”, implica expulsar todos os enagramas que, similares aos traumas freudianos, “são produto dos erros cometidos em vidas anteriores”. Hoje, eliminar todos os traumas do presente e do passado pode custar mais de 80 mil dólares.

Ovelhas famosas

Por isso, a campanha proselitista da Cienciologia aponta geralmente às “ovelhas com guizo” e com dinheiro. “se consegue que as ovelhas com guizo te sigam -dizia Hubbard – todas te seguirão”. Assim em 1955 pretendeu convencer a Ernest Hemingway, Orson Welles, John Ford, Pablo Picasso e Walt Disney, e ainda que nenhum deles tenha aceitado, 40 anos depois a lista de sectários impressionaria a qualquer um.

A quantidade de “astros” vinculados à seita nos últimos tempos, evidencia seu poder e capacidade de pressão sobre o “star-system”. Meio Hollywood está convencido de que a “conversão” de Jonh Travolta à seita lhe proporcionou novos papeis quando estava à beira da extinção profissional.

Único objetivo

“Dinheiro, dinheiro, dinheiro. Faça que te dêem, consiga-o. seja como for, faça dinheiro”. Com estas palavras -sempre segundo a La Vanguardia- Hubbard teria apontado seu principal objetivo. Para isso., a cúpula da Cienciologia teria criado Sterling Inc., uma ramificação da seita que chantageava dentistas viciados em drogas até que, tempos depois, foi descoberta. Mais adiante, criaram a Narconon e Helth Med, empresas internacionais de fachada que serviam também para captar e extorquir toxicomaníacos, com a desculpa de proporcionar um “tratamento redentor”.

Frente Européia

Os tratamentos da Cienciologia, entretanto, não foram muito bem acolhidos na Europa onde destacadas personalidades o rejeitaram.

Nos últimos anos, os ministros de Assuntos Exteriores da Alemanha e França, Klaus Kinskel e Hervé de Charette, compartilharam suas posições a esse respeito. O ministro francês se uniu à “apreensão” dos alemães para com a seita, enquanto Kinskel referiu-se a uma carta publicada no Inernational Herald Tribune e assinada por uma longa lista de astros, em que a seita se apresentava como vítima de uma perseguição similar a do holocausto judeu. “A carta é um insulto às vítimas do nacional socialismo”, afirmou Kinskel.

Os casos da Alemanha e França são somente um capítulo na guerra psicológica que a Cienciologia trava frente a opinião pública mundial. Por hora sua credibilidade parece manter-se…mas não por muito tempo.

Leave a Comment