Receba as novidades exclusivas de nossa rede :)

Cadastre-se

O que torna um casamento nulo – em outras palavras, o que é uma anulação?

O que torna um casamento nulo – em outras palavras, o que é uma anulação?

É preciso mais do que palavras para fazer um verdadeiro casamento sacramental.

Quando decidimos nos casar, nossa alegria e foco devem estar nessa decisão que muda a vida. No entanto, muitas vezes permitimos que nossa atenção se concentre na celebração do casamento sem prestar atenção suficiente ao fato de que o casamento não é apenas o dia da celebração matrimonial.

A decisão de se casar muda vidas permanentemente. Por causa de sua importância e consequências, é essencial que aquilo que um casal declara como sua intenção – estar unido no casamento por toda a vida – realmente expresse a verdade do que eles realmente pretendem viver.

Liberdade é a chave

Entrar no pacto do casamento requer liberdade. Implica escolher uma pessoa com quem desejamos compartilhar nossa vida em uma união de amor. Também pressupõe a escolha de viver em um tipo concreto de relacionamento para viver essa união, já que o casamento tem uma natureza distinta que o distingue de outras formas de relacionamentos amorosos.

Às vezes, há circunstâncias na vida de uma pessoa que limitam sua liberdade – por exemplo, um distúrbio psicológico ou mental, ou um sério desafio emocional que dificulta a tomada de decisões com a verdadeira liberdade.

Alguns indivíduos são movidos por impulsos ou medos que parecem incapazes de resistir. Outras vezes, existem circunstâncias externas ou pressões que podem levar uma pessoa a fazer algo que não quer fazer. Pode até acontecer que informações cruciais sobre o outro cônjuge estivessem escondidas ou fossem desconhecidas pelo outro – e se fosse conhecido, a decisão de se casar não teria sido tomada.

Frutuoso e para a vida

O casamento implica escolher um tipo de união que tenha suas próprias características especiais: implica em se comprometer a viver um amor que seja de livre vontade, fiel, frutífero e vitalício – tanto nos bons como nos maus dias.

Se um dos parceiros (ou ambos) não quiser uma união como essa e preferir, por exemplo, um relacionamento que pode ser encerrado, ou um que esteja aberto a relacionamentos com outras pessoas, há uma indicação clara de que essa pessoa realmente não quer entrar no vínculo do casamento. Embora a pessoa esteja dizendo “sim” com seus lábios, com sua vontade ela está decidindo que seu “sim” é para algum outro tipo de união – não o casamento.

Aqui é onde podemos começar a entender o que queremos dizer com a declaração de nulidade de um casamento. Somente a decisão livre, voluntária e consciente de ambas as partes pode criar um vínculo matrimonial entre elas.

Se existe alguma circunstância que impeça um ou ambos de escolher livremente, ou se um ou ambos realmente pretendem se comprometer com uma união desprovida de qualquer das características essenciais de um vínculo matrimonial, o pacto não é efetuado, e eles não têm o casamento efetivado realmente – independentemente de aparências externas. Embora pareçam casados, na verdade não são.

“Anulação”, ou melhor, nulidade

A Igreja Católica afirma que um homem e uma mulher contraíram o santo matrimônio somente se ambas as partes realmente pretendiam e eram capazes de fazê-lo, de acordo com os quatro critérios mencionados acima – a intenção e a capacidade de entrar em uma união em livre vontade, fiel, frutífera e vitalícia.

Esse respeito pela liberdade pessoal é tão forte na Igreja que as coisas não mudam simplesmente com o passar do tempo; se você é mesmo casado, é casado; mas se você realmente não contraiu casamento, então você ainda não é verdadeiramente casado, independentemente da passagem do tempo.

Há sempre uma presunção de validade tanto aos olhos da lei civil como eclesiástica, desde que ambos os cônjuges digam “sim” ao expressar sua intenção de se casar, e desde que respondam positivamente às questões relativas à sua liberdade, sua intenção de se casar pelo resto de suas vidas e, em um casamento católico, sua intenção de aceitar filhos. Assim, um casamento é considerado válido até que se prove o contrário.

Nos casos em que existem razões suficientes para acreditar que este não é o caso, é necessário concluir um processo formal para investigar e confirmar essa crença e solicitar e obter uma declaração de nulidade – ou uma “anulação”, como é frequentemente chamada.

Isso só será concedido se for adequadamente comprovado, com base nos resultados, que o vínculo matrimonial na verdade não ocorreu; isto é, que o Sacramento do Santo Matrimônio não foi realmente celebrado e a pessoa, tendo sido declarada solteira, está livre para se casar na Igreja (depois que toda e qualquer união civil tenha sido declarada nula).

Muitas vezes, quando ouvimos sobre os procedimentos de nulidade do casamento, achamos difícil entender o que eles são e como a “anulação” difere do divórcio.

Certamente, nem todos os casos de separação ou divórcio correspondem a um casamento nulo. No entanto, se compreendêssemos de dentro o que as pessoas que iniciaram o processo de nulidade passaram, entenderíamos que muitas vezes as coisas não são como parecem.

Mais importante ainda, se isso ocorre em nossas próprias vidas, entender a verdade sobre nossa própria situação pode ser uma tremenda ajuda para curar as feridas causadas por um casamento desfeito e nos permitir encarar o futuro com base na verdade de nossa situação.

via Aleteia

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *