Receba as novidades exclusivas de nossa rede :)

Cadastre-se

Você sabe o que é o purgatório e o que a Igreja diz sobre ele?

img

É frequente rezar, especialmente neste mês de novembro, pelas “almas do purgatório”. Mas o que é o purgatório?

Nós lemos, no Evangelho de Mateus, que um fariseu fez a seguinte pergunta a Jesus: “Mestre, qual é o maior mandamento da Lei?”.

Jesus respondeu: “Amarás ao Senhor teu Deus, com todo o teu coração, com toda  a tua alma e toda a tua mente. Este é o maior e o primeiro mandamento. E segundo é-lhe semelhante: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo” (Mateus 22,35-39).

Reflita sobre a passagem bíblica

Vamos refletir sobre essa resposta e nos perguntar com sinceridade: quem de nós ama a Deus com todo o coração, alma e mente?  Quem de nós ama o próximo como  a si mesmo? No primeiro domingo de novembro, a Igreja, no Brasil, celebra a festa de todos os santos e, continuamente, apresenta-nos uns “modelos” daqueles que, de verdade, amaram a Deus e ao próximo “com toda a sua vida”.

Nós, humildemente, olhamos para esses modelos e precisamos confessar: eu não amo a Deus como um São Francisco, uma Santa Clara, um Santo Afonso, um S. João XXIII, uma Madre Paulina, um Padre Vítor Coelho de Almeida; ou como muitos outros cristãos pouco conhecidos, mas que deram um extraordinário exemplo de fé e amor.

Nosso amor a Deus e ao próximo, frequentemente, fica misturado com egoísmo, com vaidade, presunção, negligência, falta de delicadeza, instabilidade e “pouca fé”.

O que diz o Catecismo da Igreja Católica?

O Catecismo da Igreja Católica nos ensina a distinguir entre pecado mortal e pecado venial (N. 1855-1856). Na primeira situação, o ser humano teve um comportamento tão grave, que rompeu sua ligação mais profunda, tanto com Deus quanto com o próximo. No segundo caso, essa ligação permanece, mas não é perfeita.

O que acontece quando o homem chega ao fim da sua vida e deve entrar em contato com o Deus totalmente santo? Com Deus ninguém convive se não for totalmente d’Ele. Diz o livro do Apocalipse (21,27) que, no céu, na “cidade santa”, na “nova Jerusalém… não entrará nada de impuro”.

É aqui que reside o lugar teológico do purgatório. O purgatório significa, pois, a graciosa possibilidade que Deus concede ao homem de poder e dever, na morte, amadurecer radicalmente. O purgatório é esse processo doloroso, como todos os processos de ascensão e educação, no qual o homem, na morte, atualiza todas as suas possibilidades, purifica-se (daí o termo “purgatório”) de todos os limites, fruto da própria história de pecado, de maus hábitos adquiridos ao longo da vida.

São Pedro, na sua primeira carta (1,14-16) escreve: “Como filhos obedientes, não vos conformeis com os desejos que tínheis no tempo da vossa ignorância; mas, assim como aquele que vos chamou é santo, sede também vós santos em todas as vossas ações, pois está escrito ‘Sereis santos porque eu sou santo’ (Levítico 11,44)”.

Como não lembrar a outra palavra que lemos em Mateus 5,48: “Sede perfeitos, como é perfeito vosso Pai celeste?”.

Deus nos pede a perfeição, ele nos quer perfeitos e, por meio da Sua graça, que sempre nos acompanha nesta e na outra vida, ele nos transforma de imperfeitos em perfeitos. Essa graça, na vida presente, é oferecida à nossa “liberdade”. O homem pode dizer a Deus um ‘não’ definitivo ou ‘sim’, mas não de uma maneira perfeita. Então, a sua graça nos acompanha até o momento em que esse ‘sim’ se tornará perfeito: e se isso não acontece antes da nossa morte, acontecerá depois dela, para aqueles que escolheram amar a Deus e ao próximo, mas não chegaram a fazê-lo “com todo o coração”. Eis o “lugar”, ou melhor, o “estado”, a “situação” do Purgatório.

Por que purgatório?

A essa altura, pode-se perguntar quando, na história e na doutrina da Igreja, fala-se do purgatório.

Na antiga Igreja, a ideia do purgatório se desenvolveu em relação à prática penitencial. De fato, se por um lado Jesus concedeu aos apóstolos o poder de perdoar os pecados (cf. João, 20,22-23), por outro, a Igreja organizou sua “prática penitencial” de maneira diferente, em épocas diferentes. Hoje, temos a modalidade do sacramento da “confissão”, mas, desde o início até o século VI, houve a modalidade da penitência pública, concedida uma vez na vida e reservada para os pecados mais graves e públicos, caracterizada por um longo (de anos) e difícil caminho de expiação, que se concluía com uma reconciliação eclesial, por meio do bispo. Reinava, então, a insegurança quanto ao batizado que houvesse cometido um pecado mortal e em consequência se achasse excluído da vida comunitária da Igreja, se estava suficientemente purificado e havia feito suficiente penitência para poder ser admitido novamente na Celebração Eucarística. E, em suas dúvidas, as autoridades eclesiásticas se decidiam a conceder a reconciliação, que, às vezes, parecia demasiado prematura, movidas pelo pensamento de que, além da morte, existe uma possibilidade de purificação ou reconciliação. Quem mais difundiu a doutrina do purgatório foi o Papa Gregório Magno  (papa desde o ano de 590 até 604).

A convicção eclesiástica criou diversas formas de expressão na liturgia. Já no século II, atesta-se uma oração pelos falecidos. Desde o século III, existe o costume de orar por eles durante a Celebração da Eucaristia.

A Igreja Católica ensinou explicitamente a existência do purgatório no Segundo Concílio de Lião (1274), no Concílio de Florença (1439) e no Concílio de Trento (1545-1563).

O que fazer para não passar pelo purgatório?

Diante desse ensinamento da Igreja, vamos agora nos perguntar: “O que vamos fazer para “evitar” o purgatório ou para chegarmos no fim da vida mais “purificados” do que estamos agora?

“Viver é aprender”, diz o provérbio. Temos a vida toda para aprender a “amar a Deus de todo o coração e  amar o próximo como a nós mesmos”. Nessa caminhada, fazemos também a experiência do pecado, mais ou menos grave. Não podemos, então, esquecer o significado da palavra Evangelho. Essa importante palavra vem do grego e se traduz como “boa nova”, “bela notícia”. Qual é a “bela notícia”? Ei-la: Deus é misericórdia, Deus é graça, Deus perdoa, Deus é como o Pai do Filho Pródigo. Manifestou esse amor dando-nos seu Filho, Jesus, nosso Salvador, que deu a vida por nós, que nos salvou através da sua morte – ressurreição e do dom do Espírito Santo. Naturalmente, o homem tem que fazer a sua parte, acreditando neste amor e convertendo-se.

Falamos que a Igreja é santa e pecadora ao mesmo tempo. Trata-se, para todos nós, de uma luta contínua entre o pecado e a graça. Vamos, aos poucos, aprender a “viver como Jesus viveu”. É um processo educacional: os que mais aprendem, às vezes, depois de uma experiência de pecado, chegam no fim da vida “purificados”, “prontos” para “ver a Deus face a face”. Os que escolheram a Deus de verdade, mas que ainda não se aperfeiçoaram de maneira completa,  na morte irão completar este “processo de conversão”: eis o “purgatório”.

Quanto vai durar? Depois da morte vamos ficar sem relógio. No fundo, é ridículo falar de 100 anos ou de mil anos de purgatório. Entramos no mistério da vida após a morte. Só Deus sabe.

Em suma, somos chamados, desde já, a percorrer o caminho da santidade. Não vamos esquecer que, no Concílio Vaticano II (1962-1965), a Igreja falou da “Vocação universal à santidade” (cf. Documento sobre a Igreja, Lumen Gentium, n. 39-42). Todos os cristãos são chamados a ser santos, naturalmente dentro da específica vocação de cada um.
Por fim, lembramos que, no Dia de Finados, reza-se especialmente pelos mortos, visitam-se os cemitérios. A que se devem essas práticas? São válidas?

A oração pelos mortos têm raízes já na crença dos próprios judeus, quando ocorreu o episódio de Judas Macabeus (II século antes de  Cristo). Narra-se aí que alguns soldados judeus foram encontrados mortos num campo de batalha, tendo debaixo de suas roupas alguns objetos consagrados aos ídolos, o que era proibido pela Lei de Moisés. Então, Judas Macabeus mandou fazer uma coleta para que fosse oferecido em Jerusalém um sacrifício pelos pecados desses soldados. O autor sagrado louva a ação de Judas nestes termos:   “Se ele não esperasse que os mortos ressuscitariam, teria sido vão e supérfluo rezar por eles. E acreditava que uma bela recompensa aguarda os que morrem piedosamente. Era este um pensamento santo e piedoso. Por isso, pediu um sacrifício expiatório para que os mortos fossem livres das suas faltas”. (2 Mac 12,44-46)

Nesse caso, vemos pessoas que morreram na amizade de Deus, mas com uma incoerência que não foi a negação da fé, já que estavam combatendo no exército do povo de Deus contra os inimigos da fé.

No Credo, nós cristão professamos a fé na “comunhão dos santos”. O que significa isso?

Procuramos a resposta no Catecismo da Igreja Católica, que assim se expressa: “A expressão comunhão dos santos designa, em primeiro lugar, as coisas santas e, antes de mais, a Eucaristia, pela qual ‘é representada e se realiza a unidade dos fiéis que constituem um só Corpo em Cristo’. Esse termo também designa a comunhão das pessoas santas em Cristo, que ‘morreu por todos’, de modo que o que cada um faz ou sofre por Cristo e em Cristo reverte em proveito de todos. Nós cremos na comunhão de todos os fiéis de Cristo: dos que peregrinam na terra, dos defuntos que estão levando a cabo a sua purificação e dos bem-aventurados do céu: formam todos uma só Igreja; e cremos que, nesta comunhão, o amor misericordioso de Deus e dos seus santos está sempre atento às nossas orações.” (N. 960-962).

Então, visitando os cemitérios e rezando pelos falecidos manifestamos a fé na “comunhão dos santos”; e, acima de tudo, manifestamos a fé na ressurreição dos mortos. A esse respeito, gostaria de concluir com as belíssimas palavras do Apóstolo Paulo, que encontramos na Primeira Carta aos Tessalonicenses (4, 13-18).

“Não queremos, irmãos, que ignoreis coisa alguma a respeito dos mortos, para não vos entristecerdes como os outros que não têm esperança. Se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também devemos crer que Deus levará por Jesus e com Jesus os que morrem nele. Seremos arrebatados juntamente com eles (quer dizer, com os que já morreram) sobre as nuvens; iremos ao encontro do Senhor nos ares e assim estaremos para sempre com o Senhor. Consolai-vos portanto com estas palavras”.

Vamos, então, visitar os cemitérios e rezar pelos falecidos; essas práticas são validas, pois nascem da nossa fé e a alimentam.

 

Lino Rampazzo
Professor e pesquisador no Programa de Mestrado em Direito do Centro Unisal – U.E. de Lorena (SP)  e coordenador do Curso de Filosofia da Faculdade Canção Nova, Cachoeira Paulista (SP).

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *