Receba as novidades exclusivas de nossa rede :)

Cadastre-se

Acolher a Palavra na Catequese e na vida

Acolher a Palavra na Catequese e na vida

A catequese, cada vez mais, tem trilhado caminhos de renovação na tentativa de fazer chegar até os interlocutores a Palavra de Deus. Por outro lado, grandes são os desafios enfrentados para dar conta de fazer chegar aos nossos catequizandos uma palavra que possibilita transformações em suas vidas.

A Palavra para nós é “Jesus Cristo”. Anunciamos Jesus Cristo: sua vida, paixão, morte, ressurreição, ascensão e envio do seu Espírito. Conhecer Jesus nos leva a conhecer a verdade da nossa fé cristã. Conhecer a Jesus nos leva descobrir onde se esconde o mistério da vida. E, conhecendo a vida, pode-se dar sentido para ela.

Buscar a verdade de fé

Na busca pela verdade de fé, vamos descobrir que ela não é uma fórmula que se pronuncia e a constitui, não é um dogma elaborado pelos sábios. Ela não tem pertença de ninguém: ela não é minha, nem sua, mas é uma verdade que supera a tudo e a todos. Então? Porque a busca pela verdade?

Não se busca uma verdade para dar sentido à vida. É preciso que deixe a verdade ir se incorporando a nós, se apoderando de nós, nos transformando. Na busca da verdade, somos conduzidos a uma atitude de abandono a esse “mistério”, “à confiança em Deus”, “amor à vida”, pois a verdade última é um mistério.

Na tradição cristã, somos chamados a crer na Ressurreição de Jesus. Dela brota a fé cristã. Mas a fé na ressurreição não pode ser entendida através de nossa mente, nem comprovada assim como desejou Tomé, aquele dia do seu encontro com Jesus, lá no Cenáculo. Veja o que Jesus disse a ele: “não seja incrédulo, mas creia”. Então, não sejamos incrédulos.

Diante dos fatos da vida, muitas vezes nos tornamos incrédulos e queremos a verdade sobre Deus. Uma verdade que existe, mas que é ela que vai se aproximando de nós quando nos colocamos no caminho da busca. Percorrer um caminho junto aos outros e deixar que os outros nos ajude a realizar o encontro com o mistério de Deus e fazer a experiência pessoal com Ele.

Que caminhos percorrer?

O caminho que me coloca no seguimento do Cristo Ressuscitado. Como saber que caminho é esse? Conhecendo a caminhada do próprio Jesus. O objetivo é trabalhar para a construção do Reino de Deus. Nesse sentido, no caminho da busca de faz necessário se esforçar para promover a paz, a justiça e a solidariedade, no desejo de que todas as pessoas vivam mais felizes. O diálogo que se produz na caminhada se torna possível porque a caminhada acontece quando a realiza testemunhando o amor de Jesus Cristo, o rosto de Deus nEle revelado e os valores do Reino. Todo diálogo é uma aventura. Ao viver e praticar o amor, este revela o Deus de Jesus Cristo e o coloca como ingrediente básico para a construção de seu Reino. Em Jesus Cristo, Deus mesmo, enquanto Verbo, “abre mão da condição divina” (Fl 2,6) e se faz humano.

Para nós cristãos, adquirimos a identidade de cristão quando somos batizados. O batismo é a porta de entrada para essa pertença em Cristo. Seguimos o caminho de batizados, nos dizemos cristãos, mas não sabemos o que isso significa. É fazendo o caminho que podemos, “ou não” descobrir que Deus é a Boa Notícia, aquela capaz de colocar alegria na vida. E se começa a perceber a presença de Deus na vida quando, verdadeiramente, puder experimentar que Ele faz a gente viver com mais paz e mais confiança; quando puder sentir que lhe dá forças para enfrentar os problemas e desafios da vida sem se oprimir, quando comprovar seu perdão e sua compreensão inesgotável.

E como experimentar que Ele é bom?

O caminho é Jesus Cristo: a Palavra de Deus encarnada; o Pão que alimenta e fortalece na caminhada. A vida cristã nos convoca para fazer uma experiência autêntica de adesão à pessoa de Jesus Cristo.

A catequese, que tem como tarefa fazer ecoar ou “ressoar” a Palavra de Deus, exige de nós catequistas, fazer a experiência autêntica de adesão à pessoa de Jesus Cristo e ajudar aos nossos catequizandos a fazer o mesmo. Ajudá-los a viver Deus, pois Deus é amor, e de Deus só pode brotar amor.

Por Neuza Silveira de Souza – Comissão para Animação Bíblico-Catequética do Regional Leste 2, via Catequese Hoje

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *