.

Receba as novidades exclusivas de nossa rede :)

Cadastre-se

Catequista Sem Fronteiras: Uma experiência de vida na África

img

Vida e Missão

Uma experiência na África

Dizem que a vontade de Deus é que estejamos onde podemos amá-Lo melhor! Esta premissa guiou todo o meu discernimento em realizar o voluntariado-missionário em Moçambique e a assumir o compromisso de doar um ano da minha vida a Deus por meio do carisma salesiano: o tempo de maior graça na minha vida, onde eu aprendi a ser gente e a ser discípula!

Desde a adolescência, eu sempre fui muito envolvida na pastoral dos salesianos, congregação fundada por Dom Bosco, em Americana/SP, mas pouco depois de adentrar a casa dos vinte, percebi que o que eu vivia já não me preenchia como antes e eu desejava mais. Por este motivo, passei a trilhar um caminho de orientação espiritual e discernimento vocacional por quase dois anos a fim de descobrir qual sentido eu poderia dar para o meu ser cristã, na certeza de que não existe uma resposta simples e reduzida da nossa vocação, pois muitas são as possibilidades e elas dependem de nossa realidade (dons, inclinações e circunstâncias). Feito isto, tomei uma decisão: partir em missão por um ano na África! No caminho, direcionei este projeto a Moçambique, país que poucos voluntários haviam explorado.

Durante o tempo de preparo, tive o apoio de muitos, principalmente, nas campanhas de arrecadação, mas também a incompreensão dos que, por não terem tido uma experiência com o Evangelho de Jesus, não viam razão para eu investir os meus melhores dias em um projeto assim e não no intercâmbio que eu precisava para a minha ocupação e que me traria prestígio profissional, por exemplo.

Vivi, também, incontáveis experiências com a Providência, como quando eu não tinha a quantia para determinada documentação e, de repente, recebia uma doação… Mas, especialmente, quando no adoecimento de uma tia, houve o atraso de mais de um mês do meu embarque e eu pude viver um tempo de qualidade com ela antes que ambas partissem para a sua missão. Tudo sempre aconteceu como e quando Ele quis! E, assim, em Março de 2019, parti. Pronta? Não! Disposta.

Chegando em Maputo, as primeiras semanas vividas foram como que uma escola de humildade! Precisei me desfazer de toda e qualquer expectativa que eu jurava já não ter dentro de mim e me inculturar. Aprendi muito, estabeleci vínculos, conquistei espaços, outros não, incorporei parte do sotaque moçambicano, passei a usar palavras em Changana (dialeto de Maputo) para me comunicar, a vestir capulana, a entender que existe mais de uma ou duas maneiras de se fazer a mesma coisa ou resolver um determinado problema, a mais ouvir do que falar e que as diferenças culturais são riquezas que nós nunca deveríamos mensurar, mas compreender (se for possível) e amar.

Assim, vivi todos os outros meses, especialmente ao sair da capital e explorar as aldeias, lugar que eu mais me realizei: me dispondo o máximo que eu podia, e sendo, lucidamente, feliz! A decisão de estar ali, amá-los e, por consequência, ser amada, foi a maior riqueza que eu poderia viver.

Sinto falta dos abraços apertados e longos, de segurar as mãos feridas pela machamba (horta) das mamás e dos papás, das partilhas de vida, das risadas, de ser transbordada de afeto pelos pequenos – de vez em quando, olho os posts com eles no feed e nos stories a fim de amenizar a saudade e ela só se atualiza -, de ter meu cabelo acariciado por alguns, pois custavam a crer que era de verdade, de participar das missas extremamente animadas e com duração de, no mínimo, três horas, de ouvir “Mana Cau!” ao dobrar a esquina dos bairros que eu conhecia ou, ainda, ter que aprender outras palavras do dialeto que era falado em cada distrito que eu visitava para criar uma conexão com eles… Amor que não se explica, se sente. Sou eternamente grata a Deus por ter me dado meios de concretizar esse sonho!

“Ah, Cauany, mas, então, foi tudo um mar de rosas!!!”

É, não tanto! Os desafios foram muitos e voltei com várias histórias para contar.

Afinal, estar num lugar diferente, com pessoas novas e vivendo situações que eu não poderia ter me preparado antes porque é algo que pertence àquela realidade, não é tarefa fácil. No entanto, os sacrifícios vividos em um espaço que nós temos a certeza que deveríamos estar inseridos, são vividos com amor e, por isso, não pesam em comparação aquilo que vivemos sem ter uma escolha ou sem encontrar um verdadeiro sentido.

E se teve algo que nunca faltou na minha experiência em Moçambique foi sentido! Fosse na Pastoral Universitária, com os jovens que acompanhávamos, nas formações humanas, festividades religiosas e eventos para convívio do corpo docente e discente do Instituto Superior Dom Bosco, no apoio às comissões de voluntariado dos estudantes, na Pastoral Juvenil da Visitadoria Maria Auxiliadora que incluía oito frentes de missão, na Pastoral da Comunicação, na elaboração de projetos sociais para obras missionárias da Família Salesiana, na animação dos oratórios e retiros de formação juvenil… Absolutamente todo o trabalho empreendido neste ano de missão, contribuiu para que hoje, eu esteja mais perto daquilo que Deus quer que eu seja neste mundo: sinal do Seu amor pela total vivência da minha humanidade que foi feita tão somente para amar!

Nós fomos feitos para amar! E quando nos esquivamos dessa vocação recebida desde a nossa criação e confirmada em nosso batismo, experimentamos o amargor de uma vida sem sentido, sem norte, voltada para nós mesmos. É preciso sair do nosso comodismo para fazer a experiência com o amor, que é o próprio Deus.

O Papa Francisco nos recorda, incansavelmente, disso e é triste perceber que ainda buscamos o sentido da vida na ascensão profissional, no afã em se ter muitas posses, pessoas que nos admirem pela aparência física ou pelo conhecimento estritamente terreno. Não, não é isso que nos realiza plenamente como seres humanos e como filhos de Deus. É o quanto saímos de nós mesmos para amar! O quanto somos capazes de nos ofertar. É neste encontro com o outro que está nossa razão de ser e que a epifania, a manifestação de Deus, acontece.

Já parou pra pensar onde e como você pode, plenamente, amar? Encontrada a resposta: eis o seu campo de missão. Comece hoje! E não olhe para trás. A felicidade escondida na doação da tua vida, te espera desde sempre e até a eternidade.

Por Cauany Marondes

Se liga nos arquivos que a Cauany disponibilizou pra gente:

 

 

 

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *