Receba as novidades exclusivas de nossa rede :)

Cadastre-se

Como a peste negra mudou a Ave-Maria

Como a peste negra mudou a Ave-Maria

A oração da “Ave-Maria” que os cristãos rezam há séculos é composta de duas partes principais.

A primeira deriva da Anunciação, quando o anjo Gabriel saudou Maria, dizendo: “Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo!” (Lucas 1,28).

Já a outra parte é retirada da Visitação, quando Isabel cumprimentou Maria com as palavras: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre.” (Lucas 1,42).

A princípio, a oração era conhecida como “Saudação à Virgem Maria” e consistia apenas nos dois versículos reunidos. No entanto, durante a epidemia de peste negra, no século XIV, a oração foi modificada e uma segunda parte foi adicionada a ela.

Acredita-se que esta segunda parte (“Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores agora e na hora de nossa morte”) foi adicionada para pedir a proteção da Mãe Santíssima contra a doença fatal.

O Venerável Fulton J. Sheen explica essa origem em seu livro “O Primeiro Amor do Mundo”:

“Como se apodera dos dois momentos decisivos da vida: “agora” e “na hora da nossa morte”, sugere o clamor espontâneo das pessoas diante da grande calamidade. A peste negra, que devastou toda a Europa e destruiu um terço de sua população, levou os fiéis a clamarem à Mãe de Nosso Senhor para protegê-los quando o momento [presente] e a morte eram quase um só.”

Um especialista em devoção mariana, Pe. Donald H. Calloway, confirma essa conclusão em seu livro “Campeões do Rosário”, e explica:

“Após a peste negra, a segunda metade da Ave Maria começou a aparecer nos breviários de comunidades religiosas … o povo do século XIV precisava muito da dimensão ‘cheia de esperança’ da segunda metade da oração da Ave Maria ”.

A oração assumiu várias formas durante este período sombrio na Europa, mas foi oficialmente reconhecida após a publicação do Catecismo do Concílio de Trento. A prece completa foi incluída no Breviário Romano de 1568.

Durante tempos de grande sofrimento, os cristãos sempre se voltam para Deus e para os santos mais próximos dele, na esperança de que ele traga alívio ao seu povo.

Via Aleteia

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *