.

Receba as novidades exclusivas de nossa rede :)

Cadastre-se

Jesus, o Esplendor da Verdade

img

Quando o Papa João Paulo II aprovou o Catecismo da Igreja, entregou também a  Encíclica “Veritatis Splendor”, sobre algumas questões fundamentais do ensinamento moral da Igreja.

Na introdução, o Papa diz: “amadureceu em mim (…) uma Encíclica destinada a tratar mais amplamente e profundamente das questões relativas aos próprios  fundamentos da teologia moral “ (n.5).

E afirmou  aos Bispos do mundo inteiro que o objetivo “é o de preservar a ‘sã doutrina’ (2Tm 4,3), para  debelar aquela que constitui, sem dúvida, uma verdadeira crise, tão grave são as dificuldades que acarreta à vida moral dos fieis e à comunhão da Igreja” (n.5).

Diante desta verdadeira  crise  moral de nossos dias, o Papa quis colocar o ensinamento da Igreja, com a assistência que o Espírito Santo lhe garante, quando define as verdades de fé e de moral, conforme definido no Concílio Vaticano I (1870) e II (1965).

No centro da “crise”, o Papa vê uma grave “contestação ao patrimônio moral da Igreja”. Ele diz:

“Não se trata de contestações parciais e ocasionais, mas de uma discussão global e sistemática do patrimônio moral… Rejeita-se, assim, a doutrina tradicional sobre a lei natural, sobre a universalidade e a permanente validade dos seus preceitos; consideram-se simplesmente inaceitáveis alguns ensinamentos morais da Igreja…”(n. 4).

E chama a atenção para o fato grave de que “a discordância entre a resposta tradicional da Igreja e algumas posições teológicas está acontecendo mesmo nos Seminários e Faculdades eclesiásticas”.

Cadastre-se grátis e receba os meus artigos no seu e-mail

Nas razões que geram esta crise moral, o Papa vê o questionamento que se faz aos “mandamentos de Deus, que estão escritos no coração do homem e fazem parte da Aliança, e que têm capacidade de iluminar as opções cotidianas dos indivíduos e das sociedades inteiras.”

Ainda no bojo desta crise, o santo Padre aponta a separação que alguns querem fazer entre a moral e a fé, como se fosse possível  vivê-las de maneira separada; e também uma dicotomia entre a moral e a verdade do Evangelho.

Para resolver a crise o Papa reafirma :

“A luz da face de Deus resplandece em toda a sua beleza no rosto de Jesus Cristo, ‘ imagem do Deus invisível’ (Cl 1.15), ‘ resplendor da sua glória’ (Hb 1,3), ‘ cheio de graça e de verdade’ (Jo 4,6). Por isso, a resposta decisiva a cada interrogação do homem, e particularmente às suas questões religiosas e morais, é dada por Jesus Cristo”.

E insiste, com toda ênfase:

“O mistério do homem só se esclarece verdadeiramente no mistério do Verbo Encarnado.  Ele é “o caminho, a verdade e a vida” (Jo 14,6), e sem Jesus Cristo o homem permanece para si mesmo um desconhecido, um mistério insondável, um enigma indecifrável. Sem a verdade de Jesus, “a luz que ilumina todo homem que vem a este mundo” (Jo 1,9), o homem não é verdadeiramente livre, e não tem uma consciência esclarecida para viver a vontade de Deus manifesta nos Mandamentos”.

Quando o jovem perguntou a Jesus: “Mestre, que devo fazer de bom para entrar na vida eterna?”, Jesus lhe respondeu: “Cumpre os mandamentos…” (Mt 19,16).

No centro da “crise moral”  enfatizada pelo Pontífice, ele revela qual é a sua causa – o homem quer ocupar o lugar de Deus:

“A Revelação ensina que não pertence ao homem o poder de decidir o bem e o mal, mas somente a Deus” (Gen 2,16-17).

Não é lícito que cada cristão queira fazer a fé e a moral segundo o “seu” próprio juízo do bem e do mal.

“A liberdade do homem, diz o Papa, encontra a sua plena e verdadeira realização na lei moral que Deus dá ao homem. Deus, que “só é bom”, conhece perfeitamente o que é bom para o homem, e, devido ao seu mesmo amor, o propõe nos mandamentos” (n. 35).

O remédio para  a crise está no que diz o Papa:“Impõe-se que o homem de hoje se volte novamente para Cristo, a fim de obter dele a resposta sobre o que é bom e o que é mal. Ele é o Mestre, o Ressuscitado que possui a vida e que sempre está presente na sua Igreja e no mundo.”(n. 8)

Ele – Jesus Cristo – é o Esplendor da Verdade.

Prof. Felipe Aquino

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *