Receba as novidades exclusivas de nossa rede :)

Cadastre-se

Você sabe quem é Nossa Senhora do Rosário?

Você sabe quem é Nossa Senhora do Rosário?

Todo ano, no dia 7 de outubro, os cristãos celebram a memória de Nossa Senhora do Rosário. Já faz parte do calendário litúrgico da Igreja. A memória de Nossa Senhora do Rosário deriva da festa de Santa Maria da Vitória, instituída por São Pio V, depois da vitória dos cristãos em Lepanto.

Lepanto era uma cidade da Grécia, com importante porto, junto ao Golfo de Corinto. Nela se travou a famosa batalha naval, em que a esquadra cristã, comandada por João da Áustria, derrotou os turcos muçulmanos. A vitória foi obtida em 7 de outubro de 1571, impedindo assim a grande expansão do império turco.

O Papa Pio V convocou toda a Igreja para que recitasse o Rosário pela vitória dos cristãos. Para comemorar tal vitória, o Pontífice instituiu a festa inicialmente chamada de Santa Maria da Vitória.

Em 1573, o Papa Gregório XIII tornou a festa mariana obrigatória para a diocese de Roma e para as Confrarias do Santo Rosário, sob o título de Santíssimo Rosário da Bem-aventurada Virgem Maria.

Em 1716, o Papa Clemente XI inscreveu a festa no calendário romano, estendendo-se para toda a Igreja. A celebração ocorria em datas diferentes, conforme os costumes locais.

O Papa Leão XIII inscreveu a invocação “Rainha do Sacratíssimo Rosário” na Ladainha Lauretana em 10 de dezembro de 1883.

Em 1913, o Papa Pio X fixou a data da celebração da festa em 7 de outubro.

REPRESENTAÇÃO MARIANA

Em sua representação iconográfica, Nossa Senhora do Rosário retrata a Virgem Maria geralmente sentada, com o menino Jesus sobre o seu joelho esquerdo e segurando com a mão direita um rosário.
Já algumas imagens representam a Mãe de Jesus dando o rosário a São Domingos.

Outras imagens ainda apresentam Maria entregando o rosário a São Domingos e Santa Catarina recebendo outro rosário do menino Jesus. Às vezes, as figuras dos santos podem também aparecer invertidas, ou seja, mudando de lado.

UM TÍTULO ORACIONAL

Com piedade, os cristãos festejam e cultuam Nossa Senhora do Rosário. Esse título refere-se a uma das orações mais caras do cristianismo: o Rosário.

Meditando o significado do título mariano na Ladainha, Ives Gandra da Silva Martins, jurista brasileiro, dá um belo testemunho espiritual, dirigindo assim à Mãe de Jesus: “Mestra do Santo Rosário / Todo o dia eu Te ofereço / Este augusto relicário, / Que no mundo não tem preço”.

O Rosário tem origem antiga. É uma palavra proveniente do latim “rosariu”, que significa “coroa de rosas”.

Na Idade Média, os vassalos tinham o costume de oferecer a seus soberanos coroas de flores, em sinal de submissão e de respeito. Os cristãos adotaram este uso em honra da Mãe de Jesus, oferecendo-lhe, com o Rosário, sua homenagem e respeito.

A história do Rosário remonta à piedade mariana medieval, que consagra uma longa evolução da devoção para com a Mãe de Jesus. Nos inícios do século XII propagou-se a prática da recitação da Ave-Maria no nosso Ocidente.

A saudação angélica, que constitui a primeira parte da oração da Ave-Maria, era conhecida pelos cristãos já antes do século XII, pois se encontra no texto da Bíblia (Lc 1,28.42). Até o século VII era antífona ofertorial do quarto domingo do tempo do advento, marcado por especial acento mariano.

O costume de rezar cento e cinquenta Ave-Marias iniciou nos mosteiros da Europa, onde os religiosos reuniam-se várias vezes por dia para recitar os salmos da Bíblia. Havia monges analfabetos ou de pouco estudo. Por isso, em vez de pronunciar os salmos, eles rezavam as cento e cinquenta Ave-Marias, divididas em três grupos de cinquenta.

No século XV, são introduzidos na oração da Ave-Maria o nome de Jesus e o Amém final. Em 1483 difundiu-se a segunda parte da Ave-Maria, agregada à primeira parte desta prece mariana.

Já no século XIV, o monge cartuxo Henrique de Kalkar dividiu as cento e cinquenta Ave-Marias em quinze dezenas. Em cada dezena inseriu a oração do Pai-Nosso.

São Domingos (1170-1221) e seus frades pregadores difundiram bastante a devoção mariana. As confrarias marianas, fundadas por São Pero de Verona, grande seguidor de São Domingos, contribuíram muito para a propagação da piedade para com a Virgem Maria.

A partir do século XV, os cristãos começaram a meditar em cada dezena do Rosário algum episódio da vida de Jesus Cristo. Entre os anos 1410 e 1439, Domingos da Prússia, monge cartuxo de Colônia, propunha a cada Ave-Maria um texto bíblico referente ao acontecimento salvífico, sob a forma de refrão.

Continuando a obra de Domingos da Prússia, o frade dominicano Alano de La Roche colocou, em 1470, as meditações no Rosário, que eram feitas junto às Ave-Marias, mas, com o tempo, foram reduzidas para cada dezena.

Em 1521, o também frade dominicano Alberto Castelo simplificou a estrutura do Rosário, estabelecendo apenas quinze mistérios para a oração e meditação dos devotos de Nossa Senhora. As confrarias marianas, que estavam espelhadas pela Europa toda, encarregaram-se em rezar e difundir tal devoção mariana.

Mesmo com o clima anti-religioso e anti-mariano, que se experimentou com o surgimento de movimentos humanistas e modernos, o Rosário foi se afirmando na piedade popular e eclesial, de tal modo que diversos escritores, dos mais diferentes matizes, passaram a considerar e aprofundar tal forma de espiritualidade mariana.

Tivemos vários documentos pontifícios que abordaram o Rosário e seu valor espiritual e teológico. A bula de Pio V, Consueverunt romani Pontifices, de 1569, foi um ponto de referência, definindo oficialmente e consagrando a forma desta devoção que temos hoje.

Por Pe. Eugênio Bisinoto, C.Ss.R., via A12

Paulatinamente, o Rosário tornou-se uma oração de toda a Igreja. Desde as pequenas paróquias até as grandes catedrais, tal devoção atingiu as diversas esferas e regiões do povo cristão. Passou a ser rezado por pessoas simples e cultas, ricos e pobres, gente da roça e da cidade, de todas as categorias, idades, profissões e condições culturais.

Desde sua origem até nossos dias, o Rosário vem sendo rezado pelos cristãos, que, através desta devoção, manifestam seu desvelo pela Virgem Maria. Tal oração tem fortalecido e garantido a fé dos cristãos nas mais diferentes épocas e culturas. Já dizia Leão XIII que “o cristão acha no Rosário meios abundantes para alimentá-lo e fortalecê-lo”.

O Rosário ajuda os cristãos a aprofundarem sua fé dentro dos parâmetros bíblicos. Constitui uma belíssima síntese do Evangelho. Isso porque rezar o Rosário “é ‘passear pelo Evangelho’ em união com Maria Santíssima. É contemplar os mistérios fundamentais da história da salvação com seu olhar” (Dom Murilo S. R. Krieger, bispo e escritor).

Por Pe. Eugênio Bisinoto, C.Ss.R., via A12

1. Aqueles que rezarem com enorme fé o Rosário receberão graças especiais.

2. Prometo minha proteção e as maiores graças aos que rezarem o Rosário.

3. O Rosário é uma arma poderosa para não ir ao inferno: destrói os vícios, diminui os pecados e nos defende das heresias.

4. Receberá a virtude e as boas obras abundarão, receberá a piedade de Deus para as almas, resgatará os corações das pessoas de seu amor terreno e vaidades, e os elevará em seu desejo pelas coisas eternas. As almas se santificarão por meio do Rosário.

5. A alma que se encomendar a mim no Rosário não perecerá.

6. Quem rezar o Rosário devotamente, e tiver os mistérios como testemunho de vida, não conhecerá a desgraça. Deus não o castigará em sua justiça, não terá uma morte violenta, e se for justo, permanecerá na graça de Deus, e terá a recompensa da vida eterna.

7. Aquele que for verdadeiro devoto do Rosário não perecerá sem os Sagrados Sacramentos.

8. Aqueles que rezarem com muita fé o Santo Rosário em vida e na hora de sua morte encontrarão a luz de Deus e a plenitude de sua graça, na hora da morte participarão do paraíso pelos méritos dos Santos.

9. Livrarei do purgatório àqueles que rezarem o Rosário devotamente.

10. As crianças devotas ao Rosário merecerão um alto grau de Glória no céu.

11. Obterão tudo o que me pedirem mediante o Rosário.

12. Aqueles que propagarem meu Rosário serão assistidos por mim em suas necessidades.

13. Meu filho concedeu-me que todo aqueles que se encomendar a mim ao rezar o Rosário terá como intercessores toda a corte celestial em vida e na hora da morte.

14. São meus filhinhos aqueles que recitam o Rosário, e irmãos e irmãs de meu único filho, Jesus Cristo.

15. A devoção a meu Rosário é um grande sinal de profecia.

Via ACI Digital

O Rosário da Virgem Maria é comprovadamente uma oração que nos ajuda em nosso processo de conversão, de mudança de vida e pode mudar o nosso destino. Esta oração é também um excelente auxílio em todas as nossas necessidades materiais ou espirituais. Conhecido antigamente como o Saltério de Jesus e de Maria – chamado assim porque contém 150 Ave-Marias, o mesmo número dos Salmos – passou a ser chamado de Rosário pelo Povo de Deus. “A Santíssima Virgem aprovou e confirmou esse nome, revelando a várias pessoas que elas Lhe ofereciam tantas rosas agradáveis quantas Ave-Marias, e tantas coroas de rosas quantos rosários rezassem”1. A Santa Igreja também aprovou esta devoção através de vários documentos Papais e comprovou a sua eficácia pelos numerosos testemunhos dos santos. Por isso, podemos rezar com confiança o Rosário e propagar esta salutar devoção, seja por palavras ou pelo testemunho de vida.

São Luís Maria Grignion de Montfort ensina que o Rosário é uma grande coroa e o Terço é um diadema, uma pequena coroa de rosas celestes, que colocamos na cabeça de Jesus e de Maria. “Não é possível exprimir como a Virgem estima o Rosário acima de todas as devoções e quanto ela é generosa em recompensar os que trabalham por pregá-lo e difundi-lo; e, pelo contrário, como Ela é terrível contra os que se opõem a ele”2. São Domingos de Gusmão, que foi um dos seus grandes pregadores, em seu apostolado empenhou-se em louvar a Santíssima Virgem, pregar suas grandezas e incentivar todas as pessoas a honrá-la por meio do Rosário. Para recompensá-lo, Nossa Senhora não cessou de derramar abundantes graças sobre o Santo, coroando suas obras com prodígios e milagres. Foi ela que lhe alcançou a vitória sobre a heresia dos albigenses e o fez Pai e Patriarca da grande Ordem dos Dominicanos.

A Virgem Maria não favorece somente os pregadores do Rosário, mas também recompensa os que, pelo seu exemplo, atraem outros para essa devoção. A este respeito, temos o testemunho de Afonso, rei de Leão e da Galícia, que desejava que todos os seus servos honrassem a Santíssima Virgem pela oração do Rosário. Para animá-los com seu exemplo, passou a levar sempre consigo um grande Rosário, embora não o rezasse. Vendo-o sempre com o Rosário, seus súditos se sentiram obrigados a rezá-lo. Certo dia, aconteceu que o Rei caiu gravemente doente, foi arrebatado ao tribunal de Deus e estava prestes a ser condenado. Neste momento, a Virgem apresentou-se diante de seu Filho e intercedeu por Afonso. Ela obteve de Jesus o prolongamento de sua vida por mais alguns anos, somente por ele levar consigo o Rosário, e mandou que empregasse bem este tempo que lhe foi concedido e fizesse penitência. Afonso recuperou a sua saúde e passou o resto de sua vida rezando o Rosário diariamente.

Rezemos, com vídeo do Play Canção Nova, os Mistérios Luminosos do Santo Rosário:

O Rosário é uma oração aprovada e querida pela Santíssima Virgem em muitas de suas aparições, e especialmente recomendada por ela em Lourdes, na França, e em Fátima, em Portugal. Além disso, esta devoção é aprovada e recomendada por vários Papas, em diversos documentos da Igreja. Todavia, ainda hoje muitos insistem em desacreditar esta oração e afastar os fiéis da sua prática, como fez outrora certo herege, que fazia brincadeiras com os milagres de São Domingos e com os mistérios do Rosário, o que impedia a conversão de outros hereges. Para punir este homem, Deus permitiu que quinze mil demônios entrassem em seu corpo. Levado à presença do Santo, este se pôs em oração e exortou a todos os presentes a rezar o Rosário com ele em voz alta. “A cada Ave-Maria, a Santíssima Virgem fazia sair cem demônios do corpo daquele herege”3. Depois de liberto, aquele homem renunciou publicamente os seus erros e converteu-se, juntamente com outros hereges, muito impressionados pelo castigo imposto àquele homem e pela força do Rosário.

Portanto, o Rosário é uma oração que nasceu do amor e da devoção do Povo de Deus a Virgem Maria e foi, aos poucos, consagrando-se por sua maravilhosa eficácia na conversão dos pecadores, na santificação dos féis e na salvação dos eleitos. Os testemunhos dos santos e os ensinamentos da Igreja são unânimes em recomendar a propagação e a prática desta salutar devoção. A própria Mãe de Deus, na maioria de suas aparições, não cessa de insistir na necessidade desta oração para alcançar a conversão dos pecadores e a sua salvação eterna. Por isso, aquelas pessoas que sentem-se chamadas por Deus, devem pregar, na força do Espírito Santo, a oração do Rosário. Mas, todos nós somos convidados a praticar e incentivar esta maravilhosa devoção mariana, capaz de mudar a nossa vida e o nosso destino. Obedientes a Santíssima Virgem, rezemos sempre o Santo Rosário, até o fim de nossas vidas – não desacreditemos ninguém da eficácia desta oração e não afastemos os fiéis da sua prática, como fez aquele herege – esta oração tão agradável a Jesus e a Maria. Nossa Senhora do Rosário, rogai por nós!

Referências:

1 SÃO LUÍS MARIA GRIGNION DE MONTFORT. A eficácia maravilhosa do Santo Rosário. São Paulo: Artpress, 2000, p. 11. (Série Cultura Religiosa nº 11).

2 Idem, p. 12.

3 Idem, p. 15.

Por Natalino Ueda, via Canção Nova

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *